Produtividade não está associada à quantidade de horas trabalhadas, assim como boas ideias não estão associadas a tempo de empresa ou idade. Com voz, todos podem opinar e sabemos que nós, enquanto empresa, aceitamos errar em troca de um aprendizado relevante.

Dar voz exige tempo – várias decisões que poderiam ser tomadas individualmente acabam consumindo tempo de várias outras pessoas. Isto é quase proibitivo em uma empresa enxuta como a nossa. No entanto, muitas vezes faço questão de discutir com vários do time. Pergunto genuinamente qual a opinião das pessoas e não irei parar de fazer isso – várias vezes descubro que a minha ideia não era a melhor.

Uma das nossas iniciativas não bem sucedidas foi um projeto de mentoria coletiva para pessoas endividadas. Tratava-se de uma iniciativa social – não estávamos cobrando.

Tudo que eu pedia aos participantes era que compartilhassem o conhecimento para ajudar outras pessoas endividadas para assim, ajudarmos mais pessoas. Não estava nem buscando seguidores – não pedia para indicarem nossos perfis, pelo contrário! Para consolidar o aprendizado, sugeria sempre que o próprio participante tentasse compartilhar os conceitos discutidos nas aulas.

O projeto foi suspendido. Depois de quatro ou cinco meses, percebemos que pouquíssimas pessoas estavam aderindo às reuniões – não estava justificando o tempo e a energia que a Melissa estava depositando no projeto (esta é a profissional que conduz a maior parte das consultorias financeiras individuais junto aos nossos clientes).

Pergunta: o que nos levou a investir tempo e energia em um projeto que não seria monetizado? Propósito & Visão.

Havia ali uma estratégia ousada. A lógica era simples: um endividado grato hoje, será um aluno amanhã. Perceba que se trata de um horizonte de visão não comum para uma empresa tão jovem e que, como qualquer jovem empresa, precisa se preocupar com a geração de fluxo de caixa.

"Não fazia sentido", comentou um amigo próximo.
Será?

Eis a resposta que recebi do leitor T. P., referente a Carta de ontem (não irei revelar seu nome pois escrevo sem sua autorização):
 

"Cara estou impressionado a cada dia com essas cartas.

 

Você não tem ideia da virada de chave que está acontecendo na minha vida. A anos venho tendo problemas financeiros e sempre procrastinava, com uma vida sem propósito, sem rumo. Mas foi na reta final do ano passado que decidi dar um basta nisso tudo.

 

Passei a procurar conteúdos sobre finanças e educação financeira, me matrículava em tudo que é tipo de Masterclass sobre o assunto, porém no final para saber realmente como funcionava teria de fazer o curso. Com o tempo passei a filtrar e consumir os conteúdos gratuitos como ebooks e podcasts, até encontrar o seu.

 

Como manda o figurino da Educação Financeira, antes de investir elimine todas as dívidas. É o que estou fazendo, aos poucos pagando as dívidas - agora só falta uma pra acabar de vez e começar a planejar a minha reserva financeira, para então seguir e dar início a minha educação financeira de verdade e aprender a investir.

 

Fico muito feliz de ter encontrado o seu podcast e a cada carta meu Mindset vai mudando ou seja, estou realmente virando a chave. Sei que o processo é demorado, mas são caras como você, o Cerbasi, o Nigro que me motivam a cada dia buscar a minha educação financeira para poder ajudar a pessoa que mais amo nessa vida que é a minha mãe.

 

Te agradeço do fundo do meu coração mesmo que não leia este e-mail, pois sei que a vida de um empresário é bem agitada. Mas, que Deus continue te iluminando e abençoando sempre. Para não perder esse conteúdo, vou fazer uma apostila com todas as cartas que já recebi.

 

E uma de minhas metas para esse ano é ser um de seus alunos
Boa tarde e até mais."
 


O T.P. não tem ideia de como quero encontrá-lo enquanto aluno na ED. Ele vai contar com todas as minhas forças para contribuir para o sucesso financeiro dele.
Eu já vi pessoaS (físicaS e jurídicaS) chorarem em minha frente por dinheiro – insucesso financeiro doi de verdade.

Sobre o projeto, talvez não tenhamos acertado no formato, mas tive mais umaprova que a nossa intenção estava acertada. Propósito, as vezes, leva tempo.

Lição de hoje: a corrida é de longo prazo.

Nos tempos atuais precisamos imprimir muita velocidade em tudo que fazemos, mas mesmo assim tento não esquecer que se trata de uma maratona. Muitos dos meus concorrentes, por exemplo, tem todo o perfil para serem passageiros. Enxergar isto é extremamente importante. 

As vezes as pessoas ao nosso redor nos cobram por não entender isso. Sem resultado imediato, nada parece bom.

Tudo bem, não vamos culpá-las.

O que não pode acontecer, sob nenhuma hipótese? Você esquecer disso.

Há uma clássica entrevista com Jobs e Gates, onde Steve falou "só persevera quem tem propósito porque uma pessoa sã, desiste (neste momento, é possível escutar risos da platéia). 

Há muita dor - apenas os não racionais perseveram. Perseverar é necessário, afinal de contas, it’s a long run".

"Se você olhar bem de perto, a maioria dos sucessos que aconteceram da noite pro dia levou muito tempo", também disse ele.

Long run. 
Esse é o jogo.

Seguiremos juntos, espero eu, que por um bom tempo.

Conte comigo,
Arthur Lemos

__________

Você quer receber a Carta do Fundador Diretamente em seu e-mail?

Clique AQUI e inscreva-se!