Na última semana, recebi a Gisele Santos em nosso Podcast para falarmos sobre o conceito de lovemarks, e como nos esforçamos para criar sentimentos em nossos clientes por nossa marca.

Ainda somos sim uma empresa de pequeno porte (falei sobre isso na Carta "Grupo Econômico"). Porém, por mais que tenhamos uma estrutura enxuta, invisto uma parte significativa do meu tempo (e da minha equipe) discutindo conceitos pouco comuns a empresas que estão no início de suas jornadas (positioning e lovemarks são dois exemplos).

Pergunta de 1MM de dólares – por que esse cuidado tão grande com conceitos "sofisticados"? Conceitos incomuns para negócios da nossa idade?
 

Julho de 2017, Nobile Suites Hotel, Recife

Havíamos acabado de fazer uma edição do Programa Contragolpe Financeiro© presencial, e nesta, deu quase tudo errado. Tivemos problemas seríssimos de logística. O volume de vendas durante o treinamento foi muito abaixo da nossa projeção mais pessimista.

A Empreender Dinheiro nasceu no último trimestre de 2016. Os primeiros 10 meses de vida haviam sido muito duros sob a perspectiva de geração de caixa, muito embora houvesse uma forte sensação da minha parte de que estávamos no caminho certo.

Havia muita confiança, energia e esperança depositadas naquele treinamento de Julho. O aprendizado sobre ‘o que não fazer’ foi enorme, mas sob a perspectiva de vendas, fracassamos.

Três dias depois recebi um feedback de uma pessoa próxima, sugerindo que eu refletisse sobre o meu custo de oportunidade, que eu não precisava me expor daquela forma, que a ideia era nobre mas que dificilmente funcionaria, que os cursos eram agressivos em alguns momentos...
"Não vai funcionar, Arthur".

O tom da crítica foi construtivo – era uma pessoa próxima preocupada com meu bem estar. Aos olhos dela, eu estava embarcado em um projeto no qual eu não colheria frutos e ainda perderia tempo.

Lembro da minha reação.

Fiquei tão puto que retruquei na hora, houve tempo apenas para respirar fundo. Falei usando a força, ‘esmagando’ uma calculadora HP12C em minha mão esquerda e com o rosto quase vermelho: "eu estou construindo um monstro - não me fale mais isso ".

Silêncio. 
Fim do diálogo.

Quase dois anos depois, a ED se tornou o monstro que eu me referi naquele dia? Não.

Ainda não. Porém, se voltasse no tempo eu reagiria da mesma forma. Na verdade, haveria um ajuste - "eu e um time apaixonado, estamos criando um monstro. Juntos".

Gosto de críticas, mas algumas regras tem exceção. Veja, uma das principais funções do empreendedor é manter uma crença inabalável no negócio.  

Respondendo a pergunta, é isto que me faz investir tempo na discussão de conceitos sofisticados que podem parecer distantes, mas para mim não são.

Eu já fui sócio de outros negócios que faturavam muito mais que a Empreender Dinheiro. Porém, sinceramente, para mim todos eles são pequenos comparados à ED.

Importantíssimo destacar – uma crença inabalável não significa arrogância. Trata-se de não duvidar, apesar das dificuldades.

Ou seja, isto não significa nunca duvidar do negócio, nunca questionar seu modelo de negócios ou nunca ter medo. Quantas e quantas vezes não fui dormir e pensei "e agora"?

Sou uma pessoa extremamente intensa. 
É comum mudar meu temperamento algumas vezes ao longo de um só dia.

Mas, sobretudo naquilo que se externa, sinto-me na obrigação de estar sempre alerta – otimismo presente a maior parte do tempo.

Como diria o Jorge Paulo Lemman, "nunca conheci um pessimista bem sucedido".

Acho (achismo mesmo) que este tipo de crença não se fabrica. Você simplesmente adota uma postura otimista ao acreditar piamente no negócio (ou na sua carreira). Fé e otimismo, uma coisa retroalimenta a outra.

Importância disso na prática?

"A cultura come a estratégia no café da manhã"
Frase genial do Sr. Peter Drucker.

Todos as empresas têm um código de cultura. Algumas optam por escrever, outras não. 
Mas, todas tem.

A intensidade da crença do time no negócio é incorporada à cultura.

A cultura é determinante para o sucesso do negócio (sobre o tema, deixo uma recomendação de leitura,  Feitas para Durar, Collins e Porras).

Uma das suas principais funções é acreditar fortemente no seu projeto. 
Como falei, uma crença inabalável.

Isto não é arrogância. 
Trata-se de uma questão de sobrevivência.

Por sinal, sigo acreditando em você. 
Vamos juntos.

Abraços, 
Arthur Lemos

__________

Você quer receber a Carta do Fundador Diretamente em seu e-mail?

Clique AQUI e inscreva-se!