Comecei a seguir o Guto Galamba hoje, em função desta Carta. Escutei uma história incrível sobre uma de suas palestras. 

Um amigo me disse que o Guto é uma espécie de ativista/defensor dos animais, algo parecido (não tenho detalhes quanto ao seu posicionamento sobre o assunto). Em uma de suas palestras entrou bem vestido, usava um casaco era de couro. 

Ainda no início da sua fala foi interrompido por uma das pessoas na platéia que disparou:
 

- Guto, esse seu casaco é de couro?

- “Me fudeu”, pensou Guto. Ainda assim, respondeu: Sim.

- Guto, você defende animais. Não achas que é incongruente você falar isso e usar um casaco de couro meu amigo? Esse casaco vem de um animal!

- “Me fudeu”, pensou Guto. Ainda assim, respondeu: Isso não é incongruência, é imperfeição.

Resposta brilhante. 

Com maior ritmo de conteúdos através de podcast, instagram e as próprias Cartas diárias, o volume de críticas tem aumentado. Nada de outro mundo, mas houve um aumento. 

Isto poderia me incomodar, porém vejo de outra forma. 

O aumento das críticas traz um sinal importante. 

Que existe espaço para aprender com as críticas nós sabemos. O que quero evidenciar é algo menos óbvio: o que as críticas representam. 

Ninguém investe tempo para criticar algo que não é relevante. 

Críticas são um grande sinal. 

Se há algo que você faz, pontualmente, que não está condizente com algo que você acredita, isto não quer dizer que você é uma fraude. Talvez seja parte da sua imperfeição. 

Sou defensor de várias coisas para as quais, eventualmente, posso errar. 

Onde não existe espaço para imperfeição? Naquelas atitudes que agridem a ética. Ou seja, evidente que não estou propondo que você traia seu cônjuge, roube ou cometa qualquer ato anti-social/anti-ético e justifique com “imperfeição”. 

Não conheço o Guto Galamba, mas sinceramente acredito que usar um casaco de couro não descaracteriza o seu trabalho ou o seu propósito. 

No final do dia, é engraçado perceber que mesmo quem critica a imperfeição, além de não ser perfeito, não quer ser. 

Por isso, por maior que seja a pressão para parecer igual àquilo que esperam que você pareça, e por maior que seja a pressão para que suas opiniões sejam iguais a média, no fundo, não é isso que as pessoas esperam de você. 

Em tempos de redes sociais, me parece que cada vez mais, a imperfeição deve ser vista como enorme qualidade. 

Pense nisso. 
Seja autêntico. 


Sigo torcendo muito pelo seu sucesso.
Continue contando comigo. 

Abraços,
Arthur Lemos.

________________

Você quer receber a Carta do Fundador diretamente em seu e-mail?

Clique AQUI e inscreva-se!