"Aquele cara é foda!"
Já pensou assim quando lembrou de alguém nas últimas semanas?

O Amuri Pinho, da Startse, fez um excelente texto sobre o assunto:

"Desfaça o mito do esse ‘cara é foda’.

Você tem seus heróis, eu também tenho os meus. Mas saiba que eles foram construindo suas histórias aos poucos – não nasceram assim. Se você estivesse ao lado deles no início, não iriam te chamar tanta atenção. Não seria tão distante.

Eles não chamavam muita atenção quando estavam na fila do pão, quando começaram. Inclusive, eles mesmos sabem disso.

Hoje, depois de muita estrada, aprendizados, porradas, consistência e vitórias, eles são fodas mesmo. Uns tão fodas que talvez você não consiga alcançá-los.

Mas lembre-se: eles também têm os heróis deles.

Histórias de quem não sabia de nada, começou e deu certo, aparecem todos os dias. Isso depende inteiramente da sua atitude, foco, estudo, trabalho duro... Depende de você.

É possível para qualquer um de nós, tentar, errar e acertar.

Lembre-se disso na próxima vez que for na padaria".

Como diria Saulo Godoy, o processo de idolatria é extremamente benéfico para o idolatrado e extremamente prejudicial para o idolatrante.

Flávio Augusto gosta de afirmar que não existe "o cara", no sentido do talento. Existem sim, pessoas extremamente disciplinadas.

Pergunta: então é errado admirar alguém, ou até mesmo a disciplina de alguém?

Claro que não.

Na verdade, admirar outras pessoas é extremamente saudável. A questão é que a idolatria significa admirar em excesso, um amor excessivo, exagerado.

Uma das consequências deste processo, é fazer algo apenas porque alguém nos disse que fez daquela forma, ou porque alguém faz daquela forma.

No mercado financeiro, escuto coisas como "se fulano disse que está investindo nisso, deve ser bom – investi no mesmo". A relação de idolatria oculta o fato de que o fulano tem uma realidade financeira brutalmente diferente da sua. Isso sem mencionar o perfil, os objetivos...

Naturalmente, isso pode ser prejudicial ao longo do tempo.

---

A lição de hoje é simples:

Tenha referências.
Admire-as.
Modele-as.

Mas, quando o assunto for a sua vida profissional ou a sua vida financeira, evite o processo de idolatria a todo custo. Nada de exageros.

Pode sair caro pra você.


Sigo na torcida pelo seu sucesso.  
Vamos juntos.

Forte Abraço,
Arthur Lemos.