O que será que algumas das maiores empresas do Brasil têm em comum?

Falo de Itaú, Ambev e Bradesco. Empresas diferentes, dois setores diferentes, gestões diferentes, mas qual será a característica que elas compartilham?

Todas atuam no Brasil, mas há ainda um ponto de similaridade bastante peculiar – todas têm produtos de baixa qualidade com preços altos.

Não sejamos generalistas, é claro que o Itaú e Bradesco têm bons produtos de crédito e investimento, mas a maioria dos produtos comercializados não são de alta qualidade. Porém, ainda assim, o consumidor final paga caríssimo por eles.

O mesmo acontece com a Ambev. Evidente que temos boas cervejas, mas muitas marcas são caras, quando levamos em consideração a qualidade da cerveja.

Mesmo assim, vendem muito e são líderes em suas indústrias. A característica comum que me referi, contribui diretamente para isso.

Uma coisa em comum – distribuição multicanal. Pela primeira vez na história, qualquer um de nós pode ter distribuição global em segundos, graças à internet.

A questão é que estas empresas não atuam em uma única frente de distribuição, elas atuam em várias. Você consegue consumir os produtos de qualquer uma delas de (quase) qualquer lugar do país, online ou offline. São inúmeras agências, inúmeros pontos de vendas, inúmeras formas de chegar até o consumidor final.

Lição de hoje - o único canal de distribuição disponível em nosso mercado cada vez mais competitivo é, cada vez mais, o multicanal.

O Gary Vaynerchuck fala bastante disso. Lembro de uma conversa com o Tiago Reis onde ele trouxe esta analogia entre estratégia multicanal e as principais empresas brasileiras. Eu concordo.

Isto é aplicável a todos os negócios. Talvez faça sentido para você, que tem ou participa de um empreendimento 100% off, pensar em ter canais on. Talvez, vice-versa. Por melhores que estejam as coisas hoje, vale seguir o exemplo de Itaú, Bradesco, Ambev, Petrobras, Apple, Microsoft, General Electric, etc.

As vezes, em time que se ganha, se mexe sim.

Levando o conteúdo desta Carta ao cabo, gostaria de sua opinião sobre quatro dos principais canais de distribuição online da Empreender Dinheiro. São eles:

  1. Instagram: Neste, posto conteúdos sobre Educação Financeira e Investimentos todos os dias. Meu canal mais interativo;
  2. Podcast: Meu canal predileto. Aqui compartilho um pouco de tudo que acontece na Empreender Dinheiro, além de Entrevistas e Palestras;
  3. Carta do Fundador: Meu canal mais íntimo onde compartilho meus pensamentos e opiniões em detalhes, de forma radicalmente transparente;
  4. YouTube: Aqui estou prestes a fazer uma mudança. Por enquanto, este é o canal onde eu deposito a menor quantidade de energia (quase nada, na verdade). Mas, é inquestionável a força do YouTube, sobretudo para quem empreende digitalmente

Sobre o Youtube, comecei a analisar qual seria o formato dos conteúdos a serem postados por lá. 

Lembrei de um podcast do Robert Kiyosaki onde ele fala para um empreendedor que gostaria de inaugurar um café nos Estados Unidos "Ninguém precisa de mais cafés, todos nós já temos Starbucks em todas as esquinas!".

Ou seja, o que o Kiyosaki quis dizer é que para abrir um café, sob uma nova marca, você precisa de um elemento de diferenciação. 

Então estou eu analisando a indústria de Educação Financeira no Youtube – "ninguém precisa de outros canais que tratam sobre o assunto, quando você já tem Me Poupe, Primo Rico e Cerbasi". Mesma análise. 

Eu estive processando qual o elemento de diferenciação para este canal de distribuição, e acredito que encontrei. 

Há uma diferença entre o Arthur e todos os Educadores Financeiros que conheço. Todos são autônomos, eu sou empresário. Além disso, tenho uma característica bastante peculiar – sou entusiasta da Persuasão, uma área do conhecimento que estudo bastante. 

O problema é que raramente compartilho conteúdos sobre Persuasão nos demais canais, pois, por mais que muitas pessoas peçam, tenho a sensação de que fica um pouco confuso. Prefiro manter plataformas como o Instagram dedicadas a conteúdos quase que exclusivos sobre Educação Financeira e Investimentos. 

Com isso, farei um teste a partir deste mês de Maio – através do canal de distribuição YouTube, irei compartilhar os bastidores da minha jornada empreendedora. Além disso, será o único canal onde irei abordar conteúdos sobre Persuasão e Influência. 

Algumas observações sobre o conteúdo de hoje:

  1. Percebe como, mesmo uma empresa de pequeno porte, pode ter vários canais de distribuição? 
     
  2. Esteja atento a cada um dos canais, e procure diferenciação nestes. Talvez seus concorrentes já estejam muito bem posicionados em alguns dos canais, o que exige ainda mais análise de cenário da sua parte, a exemplo do case do Youtube que compartilhei com você;
     
  3. Qual sua opinião sobre os meus canais? Qual você gosta mais? Qual você indicaria para seus amigos?

Arthur, mas o meu negócio ou "aquela pessoa" faz sucesso atuando em um único canal. E ai? 

Nunca terá fórmula pronta, sempre teremos exceções. 

No entanto, acredito que cada vez mais, o único canal disponível será serMultiCanal. 
Sem distribuição, não há negócio. 


Sigo torcendo por você. 
Conte comigo.  

Forte abraço,
Arthur Lemos.

________________

Você quer receber a Carta do Fundador diretamente em seu e-mail?

Clique AQUI e inscreva-se!